sábado, fevereiro 20, 2010

Catastrofe - Ilha da Madeira - Temporal

56 militares da GNR, 36 bombeiros e 5 equipas das Forças Armadas vão prestar socorro à Madeira
22h34m

A GNR tem 56 homens e dois cães, do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro, preparados para embarcar ao início da manhã de domingo para a Madeira. A Câmara de Lisboa vai enviar 36 homens do Regimento de Sapadores Bombeiros e as Forças Armadas vão mobilizar 5 equipas.
Dos 56 militares da GNR que o Comando daquela força de segurança disponibilizou, fazem parte "Equipas de Socorro em Inundações, de Resgate em Montanha e com a especialidade de Sapador", precisou o comandante dos GIPS, tenente-coronel Carvalho da Paixão.
O oficial da GNR afirmou que os restantes militares da sua unidade, mesmo os que estavam de fim de semana, "foram chamados para se apresentarem o mais rapidamente possível no quartel do Grafanil", base dos GIPS.

Carvalho da Paixão disse ainda que os "homens que vão para a Madeira têm ordens para estarem prontos a embarcar às 05:30 de domingo", incluindo os cães, do Grupo de Intervenção Cinotécnico, "treinados para a busca de pessoas soterradas ou desaparecidas nos escombros".
Lisboa envia bombeiros

A Câmara de Lisboa explica que os 36 elementos dos Sapadores Bombeiros vão integrar um "módulo de socorro com mais quatro elementos da PSP, acompanhados de quatro cães das equipas cinoténicas daquela força".
Segundo a autarquia, a equipa está "desde já, em prontidão e em permanente articulação com a Autoridade Nacional de Protecção Civil, prevendo-se que embarquem no domingo de Figo Maduro pelas 07:00 com destino ao Funchal".

Além dos meios humanos, o Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa vai enviar com os seus elementos equipamento e material de busca, salvamento e escoramento.
Forças Armadas mobilizam cinco equipas na ilha
As Forças Armadas mobilizaram já cinco equipas, bem como dois helicópteros e disponibilizaram alojamento para 130 pessoas num quartel, para dar resposta aos efeitos do temporal que hoje se abateu na Madeira.

Segundo um comunicado na página oficial do Estado-Maior-General das Forças Armadas, "decorrente das condições atmosféricas adversas na região Autónoma da Madeira", as Forças Armadas já mobilizaram cinco equipas do exército.
"Duas equipas de remoção de escombros, duas equipas de transporte de pessoal e uma equipa de especialistas de pontes", lê-se no comunicado.
Além destas cinco equipas, as Forças Armadas têm "dois helicópteros EH-101 estacionados no aeroporto do Funchal".

Foi também providenciado o alojamento para 130 pessoas no Regimento de Guarnição N.º 3, quartel localizado na parte cimeira do Funchal, onde, segundo disse à agência Lusa fonte militar, já se encontram 50 pessoas.
No continente encontram-se, de prontidão, ainda "uma fragata com um helicóptero, uma equipa médica, uma equipa de mergulhadores, duas secções de Fuzileiros e o contentor DISTEX (apoio a situações de catástrofe e emergência) e dois C-130 para o transporte de bombeiros".
O Regimento de Guarnição N.º 3 encontra-se na parte cimeira da Cidade do Funchal, junto ao Estádio dos Barreiros.

Rei de Espanha manifesta disponibilidade para ajudar

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, revelou hoje numa comunicação ao país que o monarca espanhol lhe ligou a expressar solidariedade pelas vítimas mortais da tempestade que assolou hoje a Madeira.

Juan Carlos disse a Cavaco Silva que "Espanha estará disponível para ajudar em tudo o que fosse necessário", admitindo ter ficado "absolutamente chocado" com as imagens que lhe tinham chegado sobre a destruição que as chuvas fortes causaram na ilha.

Fonte: Jornal de Notícias

3 comentários:

Georges Lubomirski disse...

Terrivel a perda de vidas humanas
Estamos a pagar a obras da Madeira Nova
Trata-se de uma situação anomala quanto à precipitação, mas estamos certos de que mais estudos e cuidados nas construções é necessário e muito mais limpeza e ordem publica.
Depois do mal feito está na hora de rever todos os planos para que não voltem a surgir dramas desta grandeza.
Estou extremamente arrepiado com o que aconteceu na nossa Madeira.
Para todos aqueles que perderam seus familiares e haveres transmito um sentimento muito profundo de tristeza e que tenham esperança no futuro, porque a vida continua.

Anónimo disse...

Concordo com as opiniões expressas.
Só é pena que os individuos que autorizaram as construcções sob as linhas de água não sejam chamados a dizer porque o fizeram.É e será sempre assim em Portugal.

Tita disse...

Olá jenny's,

lamento muito tudo o que aconteceu na ilha,mas a força do teu povo,fez com que ela voltasse a ser linda!Não conhecia a Madeira,estive aí na festa da flor,e amei!!
Ainda há o que fazer,mas muito trabalho já foi feito.
Um bjinho grande!!
TITA